Voos comerciais podem começar em 180 dias no Aeroporto de Itanhaém

Trip e Passaredo já manifestaram interesse em atuar na região

Empresas aéreas demonstram claro interesse de levar voos comerciais para o Aeroporto Regional Dr. Antônio Ribeiro Nogueira Júnior, de Itanhaém. A informação foi divulgada durante reunião com representantes da Abetar (Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo) e do IV Comar (Comando Aéreo Regional), com o prefeito João Carlos Forssell (PSDB), realizada quarta-feira (11) no Paço Municipal Anchieta.

Representantes da empresa Trip sinalizam com a possibilidade de iniciar voos comerciais no aeroporto itanhaense dentro de 180 dias, desde que sejam feitas as adequações necessárias em sua infraestrutura.

Rota do petróleo

O presidente da Abetar, Apóstolo Lázaro Chryssafidis, o Lack, ressaltou o potencial que a cidade representa, por já servir como ponto de base para a Petrobras. “As empresas Trip e Passaredo já manifestaram interesse em participar de uma eventual implantação de voos comerciais. Acho que é coerente colocar Itanhaém na chamada rota do petróleo. E o aeroporto tem uma característica regional, pois poderia concentrar as operações aéreas da Baixada Santista”.

Intervenções

O gerente da Trip, Ronaldo Veras, explicou que a empresa acabou de implantar operações aéreas ligando Macaé (RJ) com São José dos Campos (SP).  “A nossa intenção é colocar Itanhaém nesse circuito. Mas para isso será preciso fazer algumas pequenas ações na brigada de incêndio e em outros setores no aeroporto. São intervenções bem simples, que o órgão responsável, no caso, o Daesp [Departamento Aeroviário do Estado de SP], certamente irá providenciar no tempo exato”.

Centro de negócios

O prefeito reafirmou a disposição de criar um centro especial de negócios voltados para a prestação de serviços, com 2 milhões de m². Um dos espaços que está em estudo fica no Suarão. A proposta consiste em seguir um padrão semelhante ao adotado pelo município de Rio das Ostras (RJ), que criou uma zona especial de negócios para atender o setor ligado ao petróleo e gás. “Somos a cidade da Baixada Santista com o maior número de áreas livres para crescimento urbano. Mas isso precisa ser bem planejado para que não ocorram impactos negativos no futuro”, disse Forssell.

Notícias Relacionadas

Comentários estão fechados

Sistema Costa Norte de Comunicação