Saresp

Por que fazer o Saresp

*José Renato Nalini

O sistema de avaliação de rendimento escolar do Estado de São Paulo, conhecido como Saresp, será realizado este ano nos dias 8 e 9 de novembro, em todas as escolas estaduais. É destinado aos alunos dos 3º, 5º, 7º e 9º anos do ensino fundamental e aos da 3ª série do ensino médio. As provas avaliarão o domínio e habilidades básicas nas duas disciplinas mais importantes e, paradoxalmente, aquelas em que maior fragilidade ostenta o ensino público paulista: português e matemática.

Os estudantes do ensino fundamental farão uma prova em que as respostas serão livremente manuscritas, e os do ensino médio responderão questões em múltipla escolha. É a fórmula de familiarizar o aluno com os vestibulares, pois se acredita que a imensa maioria de quem se dispuser a terminar o ensino médio enfrentará o ingresso à universidade, em que os exames de seleção ainda vigoram.

Por que é que o Saresp há de ser feito, e com todo o empenho, por parte do estudante paulista?

Por várias razões. A primeira é que o Saresp é a principal ferramenta de avaliação externa adotada pela Secretaria da Educação. Dele resultará um diagnóstico da real situação da escolaridade básica paulista, hábil a orientar os gestores, monitorar as políticas direcionadas à melhoria da qualidade do ensino.

As informações do Saresp subsidiam as metas das escolas na elaboração do Idesp – Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo. Nesse ponto, é confortador constatar que sua última edição, em 2016, revelou que a rede estadual continua a avançar.

Ainda é preciso muito, porque a situação brasileira confrontada com a de outros emergentes não é de nos orgulhar. Mas, para o aluno, é de extremo significado e relevo lembrar que o Saresp conferirá a nota à escola e constará do histórico escolar do aluno que saiu dali. É preciso ter motivos de orgulho por integrar um estabelecimento de ensino exitoso, respeitado por haver alcançado suas metas, por se tornar uma referência na educação pública, de maneira a propiciar ao egresso um bom reconhecimento quando vier a disputar funções ou postos de trabalho.

Os pais são peças fundamentais no estímulo a seus filhos, para que não faltem e levem com grande seriedade a realização dessas provas, das quais dependerá o futuro da escola e o reconhecimento da comunidade pelo trabalho que ali se realizou, se realiza e continuará a ser realizado.

*José Renato Nalini é secretário da Educação do Estado de São Paulo.

Foto: Divulgação

 

Notícias Relacionadas

Comentários estão fechados

Sistema Costa Norte de Comunicação