Um bar secreto e com um conceito completamente diferente na cidade de Santos, na Baixada Santista. O Hideout Speakeasy é um lugar que não tem placa na fachada e cujas portas ficam fechadas. Literalmente. Mas basta empurrá-las (elas não ficam trancadas) para você descobrir um lugar inspirado nos antigos bares clandestinos da época da Lei Seca norte-americana, quando era proibido vender e consumir bebidas alcoólicas.

A Lei Seca, que entrou em vigor em 1920, com o objetivo de salvar o país de problemas relacionados à pobreza e violência. A Constituição americana estabeleceu, na 18ª Emenda, a proibição da fabricação, comércio, transporte, exportação e importação de bebidas alcoólicas. Essa lei vigorou por 13 anos (1920-1933).

O nome Speakeasy foi inspirado nesses bares, que burlavam a lei.  A porta é preta, com uma construção simples em uma rua que é considerada uma das mais badaladas do Gonzaga. Tudo muito elegante e super exclusivo, pois não é qualquer um que pode conhecer o local. Lá, só entram convidados, ou membros, como costumam ser chamados.

O anfitrião, Marcelo Malanconi, explica: “O Hideout é praticamente um clube, onde nós criamos membros. Só temos uma rede social, que é o Instagram, e ele é fechado. Nós selecionamos amigos de amigos. Já que a gente tá inspirado numa época tão antiga, que não existia rede social, o ‘boca a boca’ é muito importante pra nós”.

Como a descrição no Instagram entrega é o #menorbardesantos, um pequeno e aconchegante salão, à meia luz, com um vitrola na entrada. A playlist está disponível no Spotify (Hideout) e é repleta de canções de jazz e blues.

O balcão do bar forma um L e é todo iluminado na parte interna. Atrás, é possível conferir a alta coquetelaria, com mais de 30 opções de coquetéis, cervejas especiais, vinhos orgânicos e naturais.

O Negroni, uma alquimia de sucesso há 100 anos, é o destaque da casa, com nada menos que oito versões, todas com uma grande pedra de gelo translúcida e carimbada, que leva 60 horas para ficar pronta. Também tem café e um drink especial para os aficionados por James Bond, um Dry Martini – batido, não mexido.

Os ‘comes’ ficam por conta dos queijos, embutidos de produção artesanal, bruschettas e sanduíches.

Na área externa, aos fundos, mesas são compartilhadas com amantes dos charutos. A casa realiza, uma vez ao mês, um evento no qual o diferencial é a harmonização de bebidas e charutos, Smoked Hideout.

Durante a pandemia, outro grande diferencial surgiu, o delivery. “Você recebe o nosso coquetel em casa, junto com o gelo translúcido em formato de cubo e com manual de explicação de como finalizar ele em sua casa”, descreve Marcelo.

Educação Líquida

Você já ouviu falar de educação líquida, um conceito inspirado nas ideias do sociólogo polonês Zygmunt Bauman?

Bauman é um dos intelectuais mais respeitados da atualidade e, em seus trabalhos, tenta mostrar a dificuldades de comunicação afetiva, pois todos querem relacionar-se. Falecido em 2017, seus livros venderam mais de 200 mil cópias.

“Amor liquido” é o livro mais popular de Bauman no Brasil. Nele, o autor expõe sua análise de maneira mais simples e próxima do cotidiano, analisando as relações sociais, amorosas e algumas particularidades da ‘modernidade líquida’. “Vivemos tempos líquidos, nada é feito para durar, tampouco sólido. Os relacionamentos escorrem das nossas mãos por entre os dedos feito água”.

O autor cita como exemplo um vaso de cristal, o qual à primeira queda quebra. Inspirado no autor, o casal Marcelo Malanconi e a Aline Araújo criou o projeto "Educação Líquida": uma escola de cursos de curta duração sobre fermentados, destilados e cafés.

De acordo com a descrição do curso, a Educação Líquida nasceu do desejo genuíno de melhorar a qualidade do atendimento da cidade. “Através de nosso conhecimento compartilhado, desejamos melhorar a eficiência e excelência no atendimento dos bares e restaurantes da nossa cidade, valorizando e incentivando o turismo local, proporcionando uma melhor e mais rica experiência relacionada ao consumo consciente das mais variadas bebidas”.

O projeto nasceu no Hideout e ultrapassou os muros da casa. As aulas acontecem no local e duram uma noite. Os cursos são destinados à quem trabalha na área e, também, para os consumidores que querem aprimorar o gosto por bebidas.