Você está com algumas contas atrasadas ou dívidas para pagar? Então, saiba que não está sozinho. O endividamento é um fantasma que assombra muitos brasileiros diariamente, tirando o sono de grande parte dos trabalhadores, sejam eles de qual área forem.

Mas, será que existe saída para o caos financeiro depois que ele se instala? O que fazer quando a renda diminuiu e as contas não param de chegar? O surgimento de imprevistos e a má administração das finanças são dois dos principais motivos que provocam o endividamento, que é a maior causa do estresse financeiro da população.

Assim, sair dessa situação nem sempre é uma tarefa simples, mas com alguns cuidados e mudança de hábitos cotidianos, é possível tirar as contas do vermelho. Confira o que fazer para quitar as dívidas.

Número de endividados bate recorde em 2020

De acordo com os dados divulgados pela Pesquisa de Endividamento do Consumidor, da Confederação Nacional do Comércio (CNC), em agosto de 2020 o endividamento chegou a 67,5% das famílias, o maior patamar já registrado desde o começo da pesquisa, realizada desde 2010.

O índice ficou acima dos 67,4% de julho deste ano e dos 64,8% de agosto do ano passado.

E o cenário atual é que pessoas com renda mais alta têm aumentado a poupança em detrimento do consumo, mas famílias com baixa renda estão sofrendo com a crise financeira e precisando de crédito, que nem sempre é liberado pelos bancos.

Um cenário bastante preocupante, pois os efeitos colaterais do endividamento não se limitam à esfera financeira. O estresse provocado pela situação repercute também nos âmbitos emocional, físico e espiritual.

Veja algumas das consequências negativas: Descontrole emocional; Problemas de saúde; Desestruturação familiar; Comprometimento do sustento; Perda de patrimônio; Constrangimento; Restrição de crédito (“nome sujo”).

 Pandemia pode ter sido fator determinante

A situação financeira dos brasileiros já não vinha alcançando um bom patamar nos últimos anos. Entretanto, nem sempre o endividamento é proposital ou premeditado. Existem situações imprevistas que exigem rápidas tomadas de decisão e, muitas vezes, uma boa quantia de dinheiro.

Um exemplo disso é a pandemia causada pela Covid-19, que pode ter contribuído para piorar a situação financeira das famílias. Esse é o chamado endividamento passivo, quando a pessoa é organizada financeiramente, mas acaba enfrentando um acidente de percurso.

Algumas pessoas foram pegas de surpresa pela pandemia e acabaram endividadas, por não terem reserva financeira e nem estarem preparadas para um grande imprevisto. Outras mantinham uma reserva de emergência para momentos como esse, mas infelizmente isso significa apenas uma pequena parcela da população.

No Brasil, a cultura do poupar ainda é muito fraca, assim como a educação financeira. E aí, quando o saldo do mês não fecha, as contas se acumulam, até o ponto que as pessoas precisam solicitar empréstimos para tentar reverter a situação.

O ideal é que exista o hábito de poupar e que a reserva financeira seja equivalente a seis meses da renda mensal.

Além do fator pandemia, a má gestão das finanças e o gasto acima do poder aquisitivo também são motivos que levam ao endividamento.

Dicas para se livrar do endividamento

Se você está endividado e não sabe como sair desse ciclo, as dicas abaixo vão ajudar a iniciar a resolução das suas dívidas.

Entretanto, um primeiro passo fundamental para sair dessa situação é: mudar a sua mentalidade financeira e focar no objetivo de quitar as dívidas.

Melhore os seus conhecimentos sobre educação financeira

A internet está aí, com vários canais gratuitos com materiais ricos sobre educação financeira, finanças pessoais, planejamento familiar, investimento, dicas para economizar, entre outros assuntos pertinentes ao tema.

Liste todas as suas dívidas e tente renegociá-las

Faça uma lista com todos, absolutamente todos os pagamentos que estão atrasados, incluindo prestações, cartão de crédito, contas da casa, cheque especial, etc.

Para cada um dos itens, coloque o valor total que você deve, o valor de pagamento mensal e qual a taxa de juros cobrada em cima de cada débito. Isso é importante para identificar as contas com juros mais altos. Essas devem ter prioridade no pagamento, pois levam você a se endividar mais.

Crie um orçamento doméstico e fortaleça o hábito de anotar tudo

O efetivo controle das finanças pessoais é fundamental para ser financeiramente bem sucedido. Crie o hábito de anotar tudo que ganha e tudo que gasta. Isso pode ser facilmente resolvido com um aplicativo de celular.

Defina uma meta de poupança 

Estabeleça uma meta realista do quanto é necessário poupar por mês para quitar todas as dívidas.E faça disso um hábito para criar uma reserva de emergência, após pagar todas as contas atrasadas.

Corte gastos e não faça novas dívidas

É um sacrifício que você deve fazer nesse momento, para poder colher os frutos depois. Portanto, a não ser que seja, extremamente necessário, não caia em tentação e faça novas dívidas.

Negocie sempre e compre à vista

Sempre tente negociar antes de pagar por um produto ou serviço. Muitos empreendimentos oferecem descontos para pagamento à vista, então aproveite.

Talvez sair do vermelho não seja um processo tão rápido, dependendo da quantidade de dívidas. Mas é possível quitar todas as dívidas com planejamento e disciplina. Desde que você comece o quanto antes a controlar suas finanças com bastante responsabilidade e dedicação.