Você já ouviu falar do RH 4.0? O conceito, criado por teóricos da Alemanha no início da última década, diz respeito às modificações trazidas pela quarta revolução industrial, que é caracterizada pela transformação dos sistemas existentes: tudo passa a ser mais digital.

A indústria 4.0, como é chamada, tem enfoque nos sistemas cyber-físicos, ou seja, naqueles que integram processos feitos "no mundo real" a processos feitos inteiramente por computadores, mas não só. A IoT, Internet of Things ou Internet das Coisas, também tem grande presença nessa modificação.

Chamamos de IoT, vale dizer, a rede que integra sistemas e permite que eles trabalhem juntos, em uma troca de informações constantes, para que possamos atingir algum objetivo ou aumentar a velocidade de um determinado serviço.

Para além disso, precisamos citar também a existência dos dados em nuvem: acessados por meio de sistemas virtuais integrados, eles permitem às empresas e companhias que encontrem as informações que precisam de forma rápida e segura e que não precisem mais contar com pastas e pastas de documentos físicos.

Quando falamos sobre RH 4.0, portanto, nos referimos às práticas novas, tecnológicas, que são voltadas para os processos tradicionais do RH, mas também às novas possibilidades que a tecnologia pode oferecer ao setor. 

Os processos outrora burocráticos, feitos à mão, têm sido paulatinamente substituídos por outros, muito mais velozes.

O que isso muda? Bem, muita coisa: a partir do momento em que o RH não precisa gastar tempo com processos demorados, ele pode se dedicar a procedimentos estratégicos, na manutenção dos talentos de uma companhia, entre outras coisas.

A seguir, falaremos um pouco mais sobre tecnologias de recrutamento e seleção. Confira.

Recrutamento e seleção: tecnologias que podem facilitar os processos

A primeira modificação tecnológica oferecida por diversos softwares de recrutamento e seleção é, exatamente, a possibilidade de não precisar checar todos os currículos recebidos.

Sabemos que uma das fases mais longas do processo de recrutamento é exatamente a escolha dos currículos que passarão para a etapa seguinte do processo. 

A partir do momento em que existe um programa que pode ajudar na escolha dos candidatos mais adequados a uma determinada vaga, o trabalho se torna bem mais simples.

Convém dizer, claro, que o sistema não seleciona os melhores candidatos, apenas aqueles que estão dentro dos parâmetros desejados e estabelecidos pela busca do RH. A partir daí, cabe aos especialistas em recrutamento e seleção a escolha mais certeira.

O procedimento é tão inteligente que, hoje, ele já tem sido aplicado em redes sociais, como o próprio LinkedIn. Com o auxílio de algoritmos, headhunters conseguem rastrear profissionais perfeitos para vagas específicas e empresas podem enviar convites para especialistas sem muitas dificuldades.

Testes e criação de banco de talentos

A vaga exige alguma aptidão específica, que precisa ser testada? Em outro momento, era necessário que a empresa aplicasse provas, fizesse entrevistas ou criasse dinâmicas para saber se aquele candidato poderia ocupar a vaga com louvor. 

Hoje, com a ajuda de plataformas de emprego e softwares específicos, basta criar testes de triagem - que podem contar com testes de personalidade ou lógica, pequenas provas de inglês, etc - para selecionar, entre os interessados, os que possuem maior pontuação ou respostas mais alinhadas às normas da empresa.

Após preencher as vagas necessárias, ainda existe a possibilidade de guardar, em um banco de dados na nuvem, os nomes, as notas e os currículos dos especialistas que podem ser úteis ao corpo de funcionários da companhia em outro momento. Assim, não será preciso abrir novos processos seletivos longos no futuro.

Mudanças no processo de entrevista

Uma enorme vantagem da tecnologia é permitir que as entrevistas sejam feitas à distância, por meio de chamada de vídeo - a qual, por sua vez, pode ser realizada por softwares específicos ou até em aplicativos do celular.

Trata-se de uma forma mais democrática e rápida de entrar em contato com o candidato, sem obrigá-lo a ir até a empresa e, por consequência, gastar dinheiro com passagens e similares. 

Para a companhia, a vantagem também é grande: os recrutadores podem organizar os seus horários com mais facilidade, sem preocupação com atrasos nos horários de bate-papo com os candidatos, enquanto registram, em arquivos específicos, as respostas e aptidões mais interessantes dos profissionais com os quais conversam.