A rede de saúde de Guarujá ganhou nesta semana o reforço de nove veículos que foram comprados com a ajuda de recursos de emendas impositivas, aprovadas por vereadores, junto ao orçamento municipal.

Participe dos nossos grupos ℹ bit.ly/GRUPOCNGUARUJA 🕵‍♂Informe-se, denuncie!

Parte da nova frota já está em operação nas ruas da Cidade. São seis minivans, destinadas ao serviço de transporte sanitário, fora do domicílio, e mais três ambulâncias, destinadas para atendimento a pacientes acamados

Os recursos são oriundos de emendas dos vereadores Bispo Mauro (R$ 190 mil), Pastor Sargento Marcos (R$ 190 mil), Wanderley Maduro (R$ 100, 4 mil), Toninho Salgado (R$ 90 mil), Luciano Tody (R$ 90 mil), Fernando Peitola (R$ 90 mil), José Nilton Doidão (R$ 90 mil), Sérgio Santa Cruz (R$ 90 mil) e Mário Lúcio da Conceição (R$ 65 mil).

MINIVANS

No caso das minivans, o investimento total para a compra foi de R$ 504 mil. Os seis novos veículos vão ampliar a estrutura de atendimento dos serviços de remoção prestados pela Prefeitura, que dispunha, até então, de um único veículo para esta finalidade.

“Agora temos uma estrutura de frota municipal, para melhorarmos o atendimento aos nossos pacientes”, afirma a diretora de Regulação e Remoção da Secretaria de Saúde, Patrícia Cordeiro. Ela conta que a remoção municipal faz, em média, duas mil viagens em toda a Baixada Santista, e mais mil no Estado de São Paulo. Só em Guarujá, a cada mês, são mais de 1.600 transportes realizados.

AMBULÂNCIAS

Já no caso das ambulâncias, o investimento total foi de R$ 580 mil. São mais três ambulâncias do tipo A (todas equipadas com macas), e que já estão em operação na cidade, no atendimento aos pacientes acamados, com dificuldade de locomoção.

Esse público, em sua maioria, é formado por pacientes que realizam tratamento de hemodiálise ou de oncologia, ortopedia e radioterapia. Em média, segundo a Prefeitura, a cada três meses, são feitas 1.200 viagens, voltadas a este tipo de atendimento.

Para garantir a compra da frota, além dos valores destinados por meio das emendas aprovadas pela Câmara Municipal, também houve complemento de recursos, oriundos dos tesouros municipal e estadual.

O QUE DIZ A LEI

Desde 2017, a legislação municipal estabelece que cada vereador pode destinar o equivalente a 0,05% do orçamento líquido do município em medidas que considera prioritárias - mas desde que 50% desse valor seja para a área da saúde.

Para o orçamento de 2.020, foram destinados ao setor R$ 6,4 milhões através de emendas. Em 2019, foram R$ 5,8 milhões.