Foi lançado em Bertioga, na terça-feira, 2, o projeto Me Escute, voltado à saúde mental dos funcionários do Hospital Municipal, administrado pelo Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde (INTS). A ideia é dar conforto e melhorar a qualidade de vida de todos os profissionais da unidade que, de um modo geral, passam pelo forte impacto da luta diária contra o novo coronavírus.

O projeto de humanização vai além das dificuldades enfrentadas na rotina diária do trabalho. "No dia a dia de convivência com nossos colegas de trabalho, podemos notar quando algo não está bem, e percebendo isso as equipes da psicologia e serviço social resolveram abraçar não somente as demandas referentes ao novo coronavírus, mas também todo e qualquer tipo de sofrimento pelo qual o funcionário possa estar passando", afirma Ana Patrícia Palma, diretora do Hospital Bertioga.

O olhar diferenciado voltado aos protagonistas do Hospital de Bertioga tem como objetivo alcançar o maior número de pessoas atuantes (assim como os afastados) para que com isso a qualidade de vida dentro e fora do hospital seja minimamente resgatada.

A frase "Eu não sou o que me acontece, eu sou o que escolho me tornar", de Carl Gustav Jung, é destaque no cartão de apresentação do projeto aos funcionários, onde são convidados a compartilhar suas angustias com a equipe do setor de psicologia e serviço social, responsável pelo atendimento de forma sigilosa. O serviço também estende-se a familiares, por meio de contato diário por telefone. 

A iniciativa surtiu efeito já no período de pré-lançamento, conforme revela a diretora: "A princípio não houve tanta demanda. Mas olhares desconfiados e tímidos surgiam e, com 20 dias de projeto anunciado, a demanda aumentou o triplo fazendo com que o projeto se tornasse não somente um serviço voltado para os funcionários, mas um abraço acolhedor". 

Depoimentos de funcionários comprovam a eficácia da iniciativa (as identidades foram preservadas): 

"Tenho tido atenção e carinho pelos profissionais da área, sou muito grato”.

 “Não envolve só o Hospital, mas nossa vida fora daqui. A equipe se preocupa com isso”. 

 “Eles tocam onde dói, mas para curar. É bom saber que somos notados quando não estamos bem”. 

 “Estava cheia de angustias e a equipe me acolheu, já sinto muita diferença”. 

 “O atendimento psicológico é maravilhoso, me ajudou no momento que mais precisei. Agradeço a atenção de toda equipe que me tratou tão bem”.