A terceira reclassificação em 15 dias, segunda extraordinária, que ocorre na tarde desta sexta-feira, 22, deve endurecer as restrições no estado de São Paulo, como forma de conter o avanço da covid-19.

A partir da reclassificação de hoje, as cidades paulistas vão entrar na fase vermelha durante todos os dias da semana depois das 20h e também durante os finais de semana (veja as normas de cada fase ao final desta matéria). 

Exceto pela fase vermelha temporária no período festivo de 2020, o lockdown aos finais de semana e à noite é medida sem precedentes na história do Plano São Paulo que começou em junho de 2020. A fase vermelha de fim de ano foi desobedecida pelas prefeituras da Baixada Santista, o que gerou uma crise política com o governo estadual. 

Além do lockdown, ao menos parte das regiões que está na fase amarela deve ser rebaixada para a fase vermelha. Atualmente, 67% do estado está na fase amarela e 31% na fase laranja, mais restritiva. Esse número deve se inverter, com aumento da população que está na fase laranja.

O governo estadual tenta conter a pior semana epidemiológica da história. Nas primeiras três semanas deste ano, de 1º de janeiro até está quinta-feira, 21, os casos aumentaram 42% em comparação com o mesmo período de dezembro. O número de mortes aumentou 39% no mesmo período. 

O estado de São Paulo registra atualmente 1,66 milhão de casos e 50,6 mil mortes desde o início da pandemia. A taxa de letalidade estadual, atualmente em 3%, supera a do Brasil, que está em 2,5%, e a do mundo, no patamar de 2,1%.  

Segundo os últimos dados do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) do governo de SP, a taxa de ocupação de UTIs covid do estado ultrapassou a temida marca de 70%, chegando à  71,1% na quinta-feira, 21. Ou seja, de cada mil leitos de UTI covid no estado, 711 estão ocupados. Há registros de cidades estaduais que não possuem mais leitos de UTI. Especialistas também projetam que a pico do aumento ainda não chegou, o que deve ocorrer no início de fevereiro. 

Apesar de a porcentagem de ocupação de leitos estar mais baixa na Baixada Santista (atualmente na fase amarela) do que na região metropolitana da Capital, a região litorânea também apresenta preocupante tendência de alta. A taxa de ocupação dos leitos, atualmente em 45,73%,  aumenta na região há seis dias seguidos, desde o dia 15 de janeiro. 

Fase Vermelha

A fase vermelha é a mais restritiva do plano São Paulo. Nela, bares, restaurantes, shopping centers e comércio não essenciais são proibidos de funcionar. Será esse o panorama do estado após as 20h e aos finais de semana se o recrudescimento se confirmar. 

Fase laranja (novas regras estipuladas em 8 de janeiro)

Ampliação das atividades permitidas para todos os setores;

Capacidade limitada de 40% de ocupação para todos os setores (era de 20%);

Funcionamento máximo de estabelecimentos de 8h (era de 4 horas);

Parques estaduais abertos; 

Proibição de atendimento presencial em bares; 

Atendimento presencial proibido em todos os estabelecimentos após as 20h;  

Fase amarela (novas regras estipuladas em 8 de janeiro)

Todas as atividades em funcionamento;

Capacidade limitada a 40% de ocupação para todos os setores;

Funcionamento máximo dos estabelecimentos limitado a 10h por dia;

Parques estaduais abertos;

Atendimento em bares restrito após as 20h;

Atendimento em todos os estabelecimentos restrito após as 22h;

 

Como funciona o Plano São Paulo

A reavaliação das cidades, de acordo com as normas do Plano São Paulo, leva em conta os indicadores da pandemia dos municípios e das regiões. Hipoteticamente, quanto mais altos forem a taxa de ocupação dos leitos de UTI exclusivos para pacientes com coronavírus, o número de óbitos e de novas internações no mesmo período, mais restritiva será a fase do Plano em que será inserida a cidade. O período considerado nas contagens pode variar, atualmente contabiliza-se os dois últimos intervalos de 7 dias, que são comparados entre si. Anteriormente, eram comparados dois períodos de 28 dias. 

Ou seja, no caso da reavaliação desta sexta-feira, foram comparados os indicadores da pandemia dos últimos quatorze dias. Em tese, se os indicadores apresentarem melhora, a região vai para uma fase menos restrita, se apresentarem piora, vai para uma mais restrita. Se apresentaram estabilidade, a região permanece na fase onde estava. 

As fases do Plano São Paulo são vermelha, laranja, amarela, verde e azul. A vermelha é a mais severa e a azul a menos restritiva. A fase vermelha é acionada quando a capacidade hospitalar está em risco ou a pandemia avança em velocidade acelerada. Nesta fase, apenas serviços essenciais são mantidos.